TÉDIOS

Como um fluido a vagar pelos espaços,
A alma em crepúsc’los outonais aberta,
Surpreendi-me ao claror da luz incerta
Caminhando a chorar para os teus braços.

Tu vinhas para mim a lentos passos
Sobre rosais floridos! e entreaberta
A tua boca me sorriu, desperta
Toda a harmonia imácula dos traços.

Caía um poente evocativo e frouxo.
Da mesma paz dos mortos coroada,
No céu a lua e a meu lado um mocho.

As tuas tranças… Quantos tédios velhos…
Languescência eteral de alma exilada
Contemplando as visões dos Evangelhos…

ÁLVARO VIANA (1882-1936)
Poeta simbolista mineiro.