TRANSITÓRIO

Amanheço com a chuva
dos anos da memória
e nada exaure mais
que este gosto de sal

E quanto queria
amanhecer longe
destes páramos
e perder com justeza
e sorrir com a vida
mas nada transporta
ou redime
os amigos mortos

A vida dói na alma
como uma tina de fel
e guardamos o segredo
de continuar vivos
para incrível surpresa
dos que comandam a vida

Luiz de Miranda (1945)
Nasceu em Uruguaiana, Rio Grande do Sul, Brasil. Já com mais de quarenta anos de carreira literária, o poeta tem vinte e sete livros publicados num total de páginas que impressiona pelo volume, sem, contudo, comprometer negativamente o conteúdo e a qualidade. Recebeu vários prêmios no Brasil e no exterior. Pertence à Academia Rio-Grandense de Letras e à Academia Sul-Brasileira de Letras.

Visite o site do poeta:
http://orbita.starmedia.com/~poetamiranda/