Quarta Feira do Livro da Sociedade Partenon Literário

Programação:

– Exibição do Vídeo:
“LUCIANA DE ABREU, A PIONEIRA DO FEMINISMO EM PORTO ALEGRE” – Luciana de Abreu, primeira feminista do RS

– Vozes Poéticas Ibero-Americanas: Espanha e Honduras, com Paulo Bacedônio
– Bate-papo com Danci Caetano Ramos, autora de Tempo de Viver
– Bate-papo com Francisca Messa, autora de Ciranda de Amores

Patrono: António Soares – Presidente do Instituto Cultural Português

Quando: Sábado, 08 de outubro de 2011

Onde: Instituto Cultural Português
Rua Plácido de Castro, 154 – Porto Alegre – Brasil

Horário: Das 14 às 17 horas

Entrada Franca

– INFORMAÇÕES: (51) 8564-5281 c/Benedito Saldanha

VISITE O NOVO SITE DA ESCRITORA ANA MELLO

VISITE O NOVO SITE DA ESCRITORA

ANA MELLO:

http://anamelloescritora.com.br/

__________________

Ana Mello
Nasceu em São Leopoldo (RS), é licenciada em Ciências e Matemática pela Unisinos. Atua profissionalmente como téc. Química. Faz especialização em Informática na Educação na PUCRS. Iniciou suas publicações em 2002 quando foi uma das classificadas no concurso da Carris, Relatos da História e outras Memórias, tendo conto publicado em livro com esse título. Participou de várias Antologias da Editora Litteris e CBJE. Publicou em diversos sites na internet e é colunista do site SORTIMENTOS.COM desde 2003.

Escreve poesias, contos e crônicas. É coordenadora do Movimento Poetrix no Rio Grande do Sul.

Publicou seu primeiro livro em papel em 2009, MINICONTANDO, pela editora Casa Verde. Seus e-books, Verbetrix, Aleivosias e Céu & Inferno podem ser acessados gratuitamente. Também o primeiro livro on-line da coleção Tira Bacana. E o e-book Finais Felizes está na página da Revista iInguante, de Portugal.

Ministra oficinas de minicontos, crônica e poetrix para público jovem e adulto. Seus e-books, Verbetrix, Aleivosias e Céu & Inferno podem ser acessados gratuitamente.

ACRÚSTICO

Perdemos
Esperanças
Radiosas
De
Atributos
Sagrados

Irremediavelmente
Resta-nos
Restos
Espancam-se
Prelúdios
Ardem
Ritos
Águas
Vivas
Existência
Infame
Solidão

MARIAH DE OLIVIERI
Natural de Porto Alegre, RS, bacharel em Comunicação Social, licenciada e mestre em Filosofia. Terapeuta, Especialista em Essências Florais, desenvolve sua clínica a partir da abordagem Filosófica Existencial, centrada no desenvolvimento da singularidade do indivíduo. Dedica-se às artes plásticas e à literatura. Profere palestras, mantém coluna mensal no jornal Varanda Cultural, publica semanalmente artigos filosóficos online no Espaço Ecos e quinzenais noSemeando o Conhecimento.

DEVER DE CASA, texto de TePaz

Nas várias nuances entre o pode e o não pode está o deve. Exato aí, ela se achava. Primeiramente, devia respirar senão a vida lhe abandonava. Depois, aos tantos outros mais deves, obedientemente curvar-se. Entre todos os que trazia em sua pesada mala estava aquele que mamãe lhe passara nas suas primeiras lições de vida e que nunca pudera esquecer, pois fora escrito em sua carne – o de que a vaidade é dever feminino. Sua trajetória, com páginas lotadas de idas e vindas do insucesso tentando chegar a um porto seguro, forjou-lhe caráter de seguir a qualquer custo e sem buscar os motivos para tal, um simples dever. E agora que a rua lhe dizia seja bem vinda com toda ênfase, devia esperar o grande nada em companhia daquele para quem devia tudo, um homem que lhe tomava pela mão e lhe dizia vamos indo. Para ele, tal mulher com disposição de segui-lo, em detrimento do aconchego e segurança de um lar, era muito especial, uma companheira digna de estar em pedestal dourado. Não existia outra que fizesse seu olhar desviar-se futilmente. E pelas ruas iam e nelas viviam o improviso de cada dia achar o que comer e onde dormir, na cumplicidade de um particular romance, pois o amor chega a qualquer coração.
Mas a vaidade nunca lhe abandonou. Via-se linda no manequim de uma vitrine ou imaginando-se num salão de beleza qualquer. E se as águas e sabonetes estavam de mal com ela não importava, devia agir como se ali estivessem. Seu perfume preferido, rosas, encontrou finalmente naquele spray vazio retirado do lixo. O destino lhe sorria mais uma vez e ela, elegantemente num gesto fatal, lançou um suposto jato atrás da orelha, esboçando um ar de satisfação ao ver-se pronta para enfrentar mais um dia. Quantas naquela hora da manhã faziam o mesmo gesto? Quantas naquele instante enchiam o peito de ar e pensavam, vamos à luta. Sentiu-se integrada, sentiu-se parte daquela corrente de cumplicidade feminina repetindo o seu dever de casa. Os que passaram, não entendendo sua sina, ousaram chamá-la de louca. Porém ela só fazia o que mamãe mandara, o que mamãe aprendera de sua também mamãe – ser linda e cheirosa. E depois, seguir sua vida para o que viesse e desse, mesmo se o dado fosse apenas um frasco de perfume vazio.

Outubro/2010

TePaz
(Teresinha de Jesus Paz Pereira)

SOCIEDADE PARTENON LITERÁRIO HOMENAGEIA SERAFIM DE LIMA FILHO

CONVITE

O ano era 1997. Em Porto Alegre, numa residência do bairro Partenon, um grupo de intelectuais e simpatizantes da causa literária começou a se reunir visando o restabelecimento da associação literária considerada o símbolo da literatura gaúcha: O bravo e respeitado Partenon Literário. Liderada por Serafim de Lima Filho, a renomada instituição voltou a funcionar encontrando eco nos seus ideais e pronta para dar sua colaboração em prol do enriquecimento da nossa literatura.

Serafim de Lima nasceu na localidade de São Manoel, distrito de Cruz Alta, sendo filho de Serafim Francisco de Lima e de Acelina Gomes. Desde cedo aprendeu o ofício de tipografia e impressão, trabalhando depois no jornal “A Hora” e no “Diário Oficial do Estado”. Depois de aposentado se dedicou à reativação do Partenon Literário. E Se hoje estamos realizando palestras, transferindo conhecimento, animando saraus e publicando livros, deve-se muito a ele, que sempre acreditou neste sonho.

Este é o personagem que iremos homenagear às 19h do dia 31 de maio, terça-feira, na sede administrativa do Partenon Literário (Rua Plácido de Castro, 154 – Porto Alegre).

A atual diretoria, numa decisão histórica, irá concretizar esta homenagem justa e vitalícia. Sendo assim, convidamos todos os sócios para prestigiar esta homenagem através da Entrega do título de Presidente de Honra do Partenon Literário a Serafim de Lima Filho. Também durante o evento será apresentado em primeira mão o Hino oficial do Partenon Literário, com letra de Carlos Rampanelli e música de Antonio Frizon.

Aguardamos sua presença neste dia especial para todos nós.

APOIO:
Jornal RSLetras – Instituto Cultural Português – Instituto Cultural Lobo da Costa – Academia Letras Brasil – ALAPOA

SITE OFICIAL DA SOCIEDADE PARTENON LITERÁRIO

Amigos e simpatizantes da Sociedade Partenon Literário:

Um novo horizonte surge com a entrada no mundo virtual em definitivo do Site oficial da Sociedade Partenon Literário, ferramenta fundamental para nosso intento de divulgação e proliferação dos nossos ideais de cultura, conhecimento e valorização de nossas atividades.

Link do site: http://www.partenonliterario.com.br

Benedito Saldanha
Presidente da Sociedade Partenon Literário

***

“É dos meus olhos que essa luz se exala,
Ou recolho os seus raios na retina?
E no silêncio, em que minha alma fala,
Vibra uma interna música divina.”

(Alma Nua – Múcio Teixeira)

II CONCURSO INFANTIL “AJUDE DANILO A COLOCAR OUTRO AMIGO NA MOCHILA”

II CONCURSO INFANTIL

“AJUDE DANILO A COLOCAR OUTRO AMIGO NA MOCHILA”

REGULAMENTO

O objetivo do II CONCURSO INFANTIL “AJUDE DANILO A COLOCAR OUTRO AMIGO NA MOCHILA” é escolher um(a) amigo(a) para a personagem principal do livro: “DANILO, SUA MOCHILA E SEUS AMIGOS” de NEIDA ROCHA, bem como um nome para esse amigo.

Esse(a) amigo(a) deverá ser material escolar e que esteja de acordo com a Lei 5.523 de 20 de Julho de 2010 que “ dispõe sobre o peso máximo tolerável do material escolar transportado diariamente por alunos da rede escolar pública e privada do município de Canoas”.

O II CONCURSO INFANTIL “AJUDE DANILO A COLOCAR OUTRO AMIGO NA MOCHILA” poderá ter a participação de crianças de 6 (seis) a 12 (doze) anos de idade do município de Canoas/RS.

A inscrição é GRATUITA e NÃO ESTÁ VINCULADA à compra do livro: “DANILO, SUA MOCHILA E SEUS AMIGOS”.

A inscrição deverá ser feita até o dia 30 de Junho de 2011, através da ficha de inscrição abaixo.

A divulgação do resultado será feita no site: http://www.neidarocha.com.br e a entrega do prêmio acontecerá em data a confirmar, próximo ao aniversário de um ano da Lei 5.523, na Câmara de Vereadores de Canoas/RS.

Cada criança poderá participar com quantas sugestões desejar, desde que seja feita uma ficha de inscrição para cada sugestão.

A remessa deverá ser feita PELO CORREIO TRADICIONAL para a autora:

NEIDA ROCHA
Rua Almirante Barroso, 51
92.110-370 – CANOAS/RS

ou por email: neidarocha@terra.com.br

A escolha do amigo e seu nome será feita pela autora e convidados, e levará em consideração a criatividade da criança na sugestão da personagem e do nome dessa personagem.

A título de premiação, a criança que tiver a sugestão de amigo e seu nome escolhidos no II CONCURSO INFANTIL “AJUDE DANILO A COLOCAR OUTRO AMIGO NA MOCHILA” receberá um COMPUTADOR com

Programas instalados e os acessórios básicos para seu funcionamento.
A participação no II CONCURSO INFANTIL “AJUDE DANILO A COLOCAR OUTRO AMIGO NA MOCHILA” pressupõe a aceitação deste regulamento por parte do concorrente, cedendo o ganhador, os direitos autorais e autorizando o uso de seu nome, a qualquer tempo no material de divulgação do resultado, bem como a inclusão do seu nome nos próximos livros da autora, sem ônus para a mesma, desde que autorizado por um responsável.

As fichas participantes e não premiadas serão incineradas pela autora.

==========================================

NEIDA ROCHA Neida da Costa Rocha nasceu na Vila Harmonia, em Canoas/RS, em 01/02/1954. Filha de José Lopes da Rocha e Tereza da Costa Rocha, criada entre dois irmãos. Aos 45 anos, mãe de dois filhos, retomou os estudos e aos 50 anos concluiu a Faculdade Letras (Português/Inglês) e aos 53 Pós Graduação (Língua Portuguesa). Após 30 anos residindo em SC, retornou a sua terra Natal. Faz dos acontecimentos de sua vida, matéria prima para a criação de seus poemas Tem 10 publicações individuais e participação em 64 Antologias com Contos, Crônicas e Poemas.

Mais informações pelo e-mail: email: neidarocha@terra.com.br

VOCÊ SEMPRE VAI ESTAR

Onde existir um sorriso de criança
Você sempre vai estar
Numa roda de amigos
Entre pandeiros e canções
Vou lembrar de você

Onde houver flores e saudade
Você sempre vai estar
No café do fim da tarde
Nas manhãs dos meus domingos
Vou lembrar de você

Onde houver gestos de ternura
Você sempre vai estar
Na beleza do pôr-do-sol
Na comédia ou na aventura
Vou lembrar de você

Onde houver uma seresta afinada
Você sempre vai estar
No suspiro de um pássaro sem rumo
No abraço mais fraterno
Vou lembrar de você

E quando tudo me parecer estar perdido
Vou lembrar de você
Mesmo que o mundo me vire as costas
Sei que você estará sempre me olhando
Me pedindo para seguir em busca da verdade
Porque você um dia me disse:
“Mesmo que o mundo te faça triste
Sempre acredite no bem da humanidade”

BENEDITO SALDANHA
Nasceu em Viamão, Estado do Rio Grande do Sul. É pesquisador e escritor, funcionário público municipal desde 1995. Criador do Sarau com Ritmo (exibido mensalmente no Centro Cultural CEEE). Publicou os livros A Mocidade do Partenon Literário, Laços Eternos e Luciana de Abreu. Idealizador do Concurso Poético Expresso das Letras (seis edições consecutivas). É Presidente da Academia de Letras e Artes de Porto Alegre e do atual Partenon Literário, foi jurado do Concurso de Poesias do BANRISUL e do Concurso Histórias do Trabalho da Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Foi empossado em 2010 como membro da Academia de Letras do Brasil.

E-mail: expressoletras@yahoo.com.br
Fone: 9336-6540/3446-4298.

Oficina Natureza: Nilva Ferraro

Oficina Natureza: Nilva Ferraro

Oficina Natureza: Nilva Ferraro

O VELHO GRANDE DO SUL

O velho grande do sul
sangra de emoção
em seu galope silencioso
pelas coxilhas do pampa
-seu habitat natural e eterno-
enquanto o rosto rude
estampa a melancolia
dos homens solitários por natureza.

O velho grande do sul
sem muito sucesso na vida
vira a página todos os dias
sendo protagonista real
de sua história real
sem mística, sem mitos,
com ritos de um cotidiano
que se esvai ano a ano.

O velho grande do sul
resiste ao tempo
e serve de exemplo
para os jovens grandes do sul
que embriagam-se com a modernidade.

E calado,
olhos no horizonte,
reflete a esperança.

Vladimir Santos (1964)
Nasceu em Rosário do Sul (RS). Poeta, jornalista, contista, ativista cultural e editor.

Visite o blog do autor:

http://vladimircunhasantos.blogspot.com/