Programação – novembro 2011 – Teatro de Arena – Porto Alegre – RS

Programação - novembro 2011 - Teatro de Arena - Porto Alegre - RS

Programação - novembro 2011 - Teatro de Arena - Porto Alegre - RS

VER-O-POEMA – 5 ANOS

Ano 395 de Santa Maria de Belém do Grão-Pará

Vem aí o Novo Ver-O-Poema. Veja como você vai participar, interagir, publicar textos, falar com os amigos escritores. Tudo através do Ver-O-Poema.

Visite nossas publicações recentes:.

INDECIFRÁVEL – poemas reunidos de Alberto cohen

Chão do Caminho – Canção de Vital Lima

Às vezes eu choro três vezes… – Celso de Alencar

Novos fragmentos de um livro leve que virá – Edmir Carvalho Bezerra

MEU TEMPO MENINO – ainda em cartaz no Ver-O-Poema

QUARTO NÚMERO DEZ: o amor

NATURE – poema visual – Joaquim Branco

ENTROPIA – Lílian Maial

MOSTRUÁRIO 40 – poesia – Edson Bueno de Camargo

Último Ato – de Camila Cristina e Floriano Santos

Contagem regressiva para o novo Ver-O-Poema – Edmir Carvalho Bezerra

http://www.veropoema.net

POESIA DIGITAL, A POESIA DO SÉCULO XXI

Poesia Digital, a poesia do século XXI, ganhou uma obra esclarecedora

Jorge Luiz Antonio apresenta um panorama da poesia digital no Brasil e no mundo

Há muitas formas de se fazer poesia nos dias de hoje, mas a que mais fala a linguagem das novas tecnologias é a poesia digital. Em Poesia digital: teoria, história, antologias, Jorge Luiz Antonio traz um panorama da história da poesia digital, desde os seus primórdios, em 1959, até os nossos dias, com as mais avançadas e criativas inovações. O autor mostra como os recursos da informática, aparentemente frios e exatos, podem dar uma nova vida ao universo da poesia, ao levar seus produtores e apreciadores a outros caminhos artísticos dentro da chamada cultura digital.

Para o autor, Poesia digital: teoria, história, antologias é um livro que “estuda um tipo de poesia contemporânea em suas relações com as artes, o design e a tecnologia computacional, que é uma continuação e um desdobramento da poesia das vanguardas, da poesia concreta, visual e experimental”. Segundo o poeta português E.M. de Melo e Castro, a obra traz “claramente a intenção e a ação do autor de realizar uma discussão sobre as razões que podem ser invocadas para o estudo das transformações que o uso das tecnologias estão já a causar no próprio conceito de poesia”.

Poesia digital: teoria, história, antologias é um livro acompanhado de um DVD que reúne uma completa antologia de poemas digitais e seus antecessores, apresentando 501 poemas de 226 poetas e 110 textos teóricos de 73 autores, tanto brasileiros como estrangeiros, com cerca de 1500 páginas impressas e eletrônicas, dando um raro panorama do que já foi feito na área da experimentação poética, tanto no Brasil como no Exterior. O DVD mostra que “poesia, arte, design, ciência e tecnologia digital formam o quinteto transdisciplinar que uma parcela dos poetas contemporâneos escolheu para realizar a sua comunicação poética”, completa Jorge Luiz Antonio.

(Franklin Valverde, ONDA LATINA, São Paulo)

Poesia digital: teoria, história, antologias é uma co-edição da Navegar Editora (São Paulo), Luna Bisontes Prods (EUA), Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo (FAPESP) e Autor.

Sobre o autor: Jorge Luiz Antonio, professor universitário, pesquisador, bolsista FAPESP, pós-doutorando no IEL-UNICAMP, é autor de estudos sobre Cesário Verde e Augusto dos Anjos.

Poesia digital: teoria, história, antologias

de Jorge Luiz Antonio

Co-edição:
FAPESP / Navegar: http://www.navegareditora.com.brnavegar@navegareditora.com.br
Luna Bisonte Prods: http://www.johnmbennett.netbennettjohnm@gmail.com

Autor: http://jlantonio.blog.uol.com.brjlantonio@uol.com.br

80 páginas + DVD – R$ 30,00 sem despesas postais

Entrevista do autor a Paula Dume (Folha.com) em 7 out. 2010: http://tools.folha.com.br/print?site=emcimadahora&url=http%3A%2F%2Fwww1.folha.uol.com.br%2Ffolha%2Flivrariadafolha%2F810650-poesia-digital-encarna-segunda-vida-da-poetica-segundo-academico.shtml

====================================

Digital poetry, the poetry of the XXIst century, highlighted in a new study and anthology

Jorge Luiz Antonio presents a panorama of digital poetry in Brazil and in the world

There are many ways of making poetry nowadays, but the one that mostly engages the new technologies of language is digital poetry. In Digital Poetry: Theory, History, Anthologies, Jorge Luiz Antonio presents a panorama of digital poetry history, from its origins, in 1959, until our days with the most advanced and creative innovations. The author shows how the resources of computer science, apparently cool and exact, can give new life to the universe of poetry when taking their producers and appreciators to the other artistic directions inside digital culture.

For Jorge Luiz Antonio his Digital Poetry: Theory, History, Anthologies is a book that “studies a type of contemporary poetry in its relationship with the arts, design and computational technology, which is a continuation and an unfolding of avant-garde, concrete, visual, and experimental poetry”. According to the Portuguese poet E.M. de Melo e Castro, the work has “clearly the intention and the author’s accomplishment of a discussion about the reasons that can be invoked for the study of the transformations that the use of the technologies is already causing in the concept of poetry”.

Digital poetry: theory, history, anthologies comes accompanied by a DVD that gathers a complete anthology of digital poems and their predecessors, introducing 501 poems of 226 poets and 110 theoretical texts of 73 authors, Brazilians and foreigners, with about 1500 printed and electronic pages, giving a rare panorama of what has already been done in the area of poetic experimentation, in Brazil and in other countries. The DVD shows that “poetry, art, design, science and digital technology form the transdisciplinary quintet that a portion of the contemporary poets chose to accomplish their poetic communication”, as Jorge Luiz Antonio says.

(Franklin Valverde, Onda Latina, Brazil)

Digital poetry: Theory, History, Anthologies is a co-edition of Navegar Press (São Paulo, Brazil), Luna Bisonte Prods (Columbus, Ohio, USA), FAPESP (The State of Sao Paulo Research Foundation (São Paulo, Brazil) and the Author.

On the author: Jorge Luiz Antonio, university teacher, researcher, FAPESP scholarship, post-doctor in IEL-UNICAMP, is also the author of studies on Cesario Verde and Augusto dos Anjos.

Digital Poetry: Theory, History, Anthologies

by Jorge Luiz Antonio

Co-edition:
FAPESP / Navegar: http://www.navegareditora.com.brnavegar@navegareditora.com.br
Luna Bisonte Prods: http://www.johnmbennett.netbennettjohnm@gmail.com

Author: http://jlantonio.blog.uol.com.brjlantonio@uol.com.br

80 pages + DVD – US$ 15,00 or € 10,00 plus shipping costs

========================================================

La poesía digital, la poesía del siglo XXI, resaltada en un nuevo estudio y antología

Jorge Luiz Antonio presenta un panorama de poesía digital en Brasil y en el mundo

Hay muchas maneras de hacer poesía hoy en día, pero la que principalmente tiene estrecha relación con la lenguaje de las nuevas tecnologías es la poesía digital. En Poesía Digital: teoría, historia, Antologías, Jorge Luiz Antonio presenta un panorama de la historia de la poesía digital, desde sus orígenes, en 1959, hasta nuestros días, con las innovaciones más avanzadas y creativas. El autor muestra cómo los recursos de informática, aparentemente fríos e exactos, pueden dar una nueva vida al universo de la poesía al llevar sus productores y apreciadores a las otras direcciones artísticas dentro de la llamada cultura digital.

Para Jorge Luiz Antonio su Poesía Digital: teoría, historia, antologías es un libro que “estudia un tipo de poesía contemporánea en sus relaciones con las artes, diseño y tecnología digital, que es una continuación y un desdoblamiento de poesía vanguardista, concreta, visual, y experimental”. Según el poeta portugués E. M. de Melo e Castro, el trabajo tiene la intención y el procedimiento del autor de hacer una discusión “claramente sobre las razones que pueden invocarse para el estudio de las transformaciones que el uso de las tecnologías ya está causando en el concepto de poesía”.

Poesía digital: teoría, historia, antologías es un libro que viene acompañado por un DVD que recoge una antología completa de poemas digitales y sus predecesores, introduciendo 501 poemas de 226 poetas y 110 textos teóricos de 73 autores, brasileños y extranjeros, con aproximadamente 1500 páginas impresas y electrónicas, que da un panorama raro de lo que ya se ha hecho en el área de experimentación poética, en Brasil y en otros países. El DVD muestra que la “poesía, arte, diseño, ciencia y tecnología digital forman el quinteto transdisciplinario que una porción de los poetas contemporáneos escogió para lograr su comunicación poética”, como dice Jorge Luiz Antonio.

Poesía digital: teoría, historia, antologías es una co-edición de Navegar (São Paulo, Brasil), Luna Bisonte Prods (Columbus, Ohio, EUA.), FAPESP (Fundación de Amparo a la Pesquisa del Estado de Sao Paulo) (Sao Paulo, Brasil) y el Autor.

Sobre el autor: Jorge Luiz Antonio, maestro universitario, investigador, becario de FAPESP, post-doctor en IEL-UNICAMP (Instituto de Estudios de la Lenguage, Universidad Estadual de Campinas, Brasil), también es autor de estudios sobre Cesario Verde y Augusto dos Anjos. (Franklin Valverde, editor del periódico ONDA LATINA)

La Poesía digital: La teoría, la Historia, las Antologías

por Jorge Luiz Antonio,

Co-edición:
FAPESP / Navegar: http://www.navegareditora.com.brnavegar@navegareditora.com.br
Luna Bisonte Prods: http://www.johnmbennett.netbennettjohnm@gmail.com

Autor: http://jlantonio.blog.uol.com.brjlantonio@uol.com.br

80 páginas + DVD – U$15,00 / € 10,00 más cuestos postales

Convite de Posse na Academia de Letras do Brasil - Mariana - MG

Convite de Posse na Academia de Letras do Brasil - Mariana - MG

UM MUNDO FENOMÊNICO

CONVITE

O IFPA de Belém do Pará (antigo CEFET), através de seu Núcleo Pindorama de ações culturais, convida-lhe para a exposição Um Mundo Fenomênico, do artista visual e escritor brasileiro Tchello d’Barros.

SERVIÇO

Quê: Exposição de fotografias Um Mundo Fenomênico
Quem: Escritor e artista visual Tchello d’Barros (SC/PA)
Quando: 13.04.2011 quarta-feira
Início: 19h
Ingresso: Entrada Franca
Visitação: 13.04 à 28.05.11
Horários: 08 às 22h – segunda a sexta-feira
Local: Espaço de exposições da Biblioteca do IFPA
Av. Alm. Barroso, 1155 (antigo Cefet) Belém – PA
Texto crítico: Jiddu Saldanha (RJ)
Montagem: Núcleo Pindorama | IFPA
Curadoria: André Leite Ferreira (PA)

PROGRAMAÇÃO

Abertura: 13.04.2011 quarta-feira
14h – No mini-auditório da Biblioteca do IFPA
Palestra ‘Cordel e Contemporaneidade’
c/ Tchello d’Barros
19h – No mini-auditório da Biblioteca do IFPA
– Sarau-de-bolso c/ artistas convidados:
– Instrumental acústico c/ Miguel Cassiano
– Performance «Poema ao Pé do Ouvido»
(poemas de Tchello d’Barros) c/ Quexinho,
Josiane Nascimento e Joyce da Conceição
– Projeção de vídeos do autor e debate-papo
20h – No 2º piso da Biblioteca do IFPA
– Abertura da exposição fotográfica
– Lançamento de Cordéis de Tchello d’Barros

AÇÃO CULTURAL MULTILINGUAGENS

O autor em Belém
Tchello d’Barros escolheu Belém do Pará como sede para suas novas produções. Há mais de uma década que o artista visita a cidade das mangueiras, mas depois de realizar em 2010 a primeira exposição individual de Poesia Visual aqui no Estado (na Galeria Graça Landeira, curada por Emanuel Franco) resolveu fincar raízes e aos poucos vem se integrando na cena cultural. Além de editar uma revista, participa do projeto de residências artísticas do Espaço Cultural Corredor da Amazônia, das atividades literárias do Instituto Cultural Extremo Norte e realiza atividades voltadas para a literatura de cordel com o poeta Apolo de Caratateua.

Conceito
A mostra apresenta uma seleção de 30 fotografias P&B selecionadas da série Um Mundo Fenomênico, que Tchello d’Barros desenvolve há cinco anos, clicando em suas viagens pelo Brasil e Exterior. São objetos e cenários que, apesar da ausência do ser humano, denotam aspectos do cotidiano numa narrativa de costumes e hábitos que jogam com a imaginação decifradora dos visitantes da mostra. É um contraponto à exposição de 2010 apresentada em Vitória ES, onde todas as imagens tem o ser humano como motivo. A opção pelo P&B sugere uma interpretação da realidade, um recorte monocromático das cenas e lugares visitados. Mais que revelar, a série pretende sugerir, permitir ilações e deduções, ficcionais ou não. A ausência da cor propõe também um possível diálogo com a obra de fotógrafos referenciais para o autor, como Henry Cartier Bresson, Pierre Verger e Robert Doisnot, que também realizavam fotografia de rua e registro de viagens.

Vídeos
Para que os visitantes da exposição possam criar uma relação da coleção de imagens apresentada com outras produções do autor, haverá no auditório da Biblioteca do IFPA, um colóquio com Tchello d’Barros, debate-papo mediado pelo curador André Leite Ferreira, com participação dos artistas multilinguagens Karlo Rômulo e Marcos Smith, onde serão projetados vídeo-poemas e séries de gravuras, pinturas e fotografias de outras fases do autor. Depois da apresentação de instrumental acústico com o violino de Miguel Cassiano, haverá uma visita guiada oficializando a abertura da mostra. Após o término do período da exposição será veiculado no Youtube o vídeo-documentário Um Mundo Fenomênico, registrando essa ação multicultural realizada em Belém do Pará.

Poesia
Apesar da produção literária do autor em diversas modalidades, há um apreço especial pela literatura de cordel, tema de pesquisa, coleção e produção. Para tanto, o escritor estará ministrando no dia da abertura da mostra a palestra Cordel e Contemporaneidade e durante o evento estará autografando uma edição especial de seus cordéis: O Justo Destino do Pistoleiro Justino; O Mistério de Blém-blém e os Fantasmas de Jaraguá; A Feira do Passarinho de Maceió; O Matuto que se Espantou com as Mulheres do Recife; e O Papagaio. Mas a poesia autoral de Tchello d’Barros será também apresentada na performance “Poema ao Pé do Ouvido”, intervenção cênica dirigida pelo ator mineiro Quexinho e protagonizada pelas atrizes paraenses Josiane Nascimento e Joyce da Conceição, durante o coquetel do evento de abertura.

TEXTO CRÍTICO
A Ousadia do Enquadramento
por Jiddu Saldanha*

Quando nos deparamos com um artista comprometido com o que faz e percebemos a qualidade de seu trabalho, podemos também respirar aliviados por que nosso tempo será bem empregado e certamente iremos nos transformar/transfigurar. Tchello d’Barros é um artista que viaja pelas estradas do mundo e, no entanto, para nós, ele é a viagem e ao mesmo tempo quem descortina a paisagem que brota do ato criativo. Mergulhar em seu trabalho é percorrer caminhos, cruzar pontes, transpor margens e chegar a algo repleto de essência, lá onde o ato realizador e o rigor formal se transfundem em momento ímpar.

A profusão de temas que brotam dos cliques de Tchello d’Barros são inspiradores e parece buscar um olhar imaginativo: um espectador disposto a recriar cada foto no imaginário através de histórias cujo start é dado pela sugestão da cena. Vemos uma mão que toca um violão, uma estátua contra o sol, dedos que tecem uma rede de pesca, velas acesas, barcos vazios, cavalos em contraste como que num diálogo cósmico e uma rua bucólica iluminada por focos de luzes que mais parecem aura de anjos.

De um modo geral o que temos são cenas que bem poderiam detonar a criação de um filme, retratos inusitados obtidos pelo inquieto tanger de um caminhante. É como se cada fotografia estivesse pronta para continuar numa cena animada. O quadro escolhido é apenas sugestão, a foto continua se construindo em nosso imaginário.

Um Mundo Fenomênico é uma série monumental de imagens, que nos dão uma leitura ampla a partir de um recorte, que bem podemos nominar como a poética de um criador, neste caso, Tchello d’Barros, uma espécie de caixeiro viajante das estrelas, que traz a tiracolo um embornal de encantamento e ao qual oferece ao mundo todo um conteúdo que faz brilhar nossos olhares, as vezes tão cansados da poluição visual que grassa pelo universo humano.

Ao entrar em contato com as fotografias do autor, o espectador mergulhará no melhor da fotografia contemporânea, com enquadramentos ousados, imagens inusitadas e muita propriedade na escolha dos motivos. Aqui, nada poderá ser ignorado, Tchello d’Barros é extremamente meticuloso, cuidadoso e seu rigor observacional fará o expectador sentir-se respeitado por dedos que clicam com a mesma inquietação com que o olhar olha.

*Poeta, artista visual e produtor cultural
Cabo Frio RJ – Abril 2011

DEPOIMENTO DO AUTOR
“A série fotográfica Um Mundo Fenomênico diferencia-se de minhas produções em artes visuais e literatura, não só na linguagem mas também nas escolhas temáticas e respectivas abordagens. Vivemos um tempo de hiperinformação midiática, poluição visual e afetividades mediadas pelas recentes tecnologias virtuais. A produção dessa série de imagens não pretende negar nada disso, mas perpassa um conceito de extemporaneidade, como que em deslocamentos de nosso tempo presente ou lugar em que vivemos. As imagens são também um extrato visual de minhas viagens pelo Brasil e Exterior, onde o cotidiano do homem contemporâneo é flagrado de forma inusitada, em seus aspectos poéticos, dramáticos, culturais, sociopolíticos etc. O ser humano apesar de não aparecer nas imagens, tem sua presença sempre sugerida pelos objetos e cenários fotografados, dialogando assim com a imaginação do observador, co-autor deste um mundo transitório, fenomênico. A coleção de imagens constitui-se numa crônica pessoal com recortes da contemporaneidade, editada pelo olhar de viajante do autor mas mediada pelo que mais interessa: a imaginação curiosa, decifradora e ficcional do expectador.” Tchello d’Barros

SOBRE O AUTOR
Tchello d’Barros (Brunópolis/SC, 1967) é escritor, artista visual e viajante. Residiu em 12 cidades, percorreu 20 países em constantes pesquisas na área cultural e desde 2010 está radicado em Belém/PA.

Na Literatura, publicou meia-dúzia de livros de poemas, diversos cordéis e publica regularmente poemas, contos, crônicas e artigos em mídias impressas e virtuais, tendo escritos publicados em mais de 50 coletâneas e antologias. É membro de diversas entidades culturais e eventualmente realiza palestras e oficinas literárias.

Nas Artes Visuais, participou de cerca de 70 exposições, entre individuais e coletivas, com obras em desenho, pintura, infogravura, fotografia, instalação e poesia visual. Como designer, desenvolveu criações gráficas para agências de publicidade, desenhos para o segmento de moda e ilustrações para o meio editorial. Atualmente dedica-se a fotografar e desenhar temas da Amazônia.

AGULHA HISPÂNICA – REVISTA DE CULTURA EDIÇÃO # 8 – FORTALEZA CE BRASIL – MARÇO DE 2011

AGULHA HISPÂNICA
REVISTA DE CULTURA
EDIÇÃO # 8 – FORTALEZA CE BRASIL – MARÇO DE 2011

Editorial # 8 :“Brasil aun tiene una mentalidad gremial” – Diálogo con Floriano Martins. Márcio Simões

01. A volta ao mundo de Julio Cortázar em quatro ângulos. Susan Blum
02. Ana María Matute: “El interés se elevó a asombro”. Miguel Ángel Muñoz
03. Azares de acuerdo con el destino – Diálogo con Jacob Klintowitz. Floriano Martins
04. El fascinante mundo de los libros. José Alcántara Almánzar
05. El teatro de Carlos Giménez. Viviana Marcela Iriart y Ana María Fernández de Rodríguez
06. Fernando Trueba: imaginação e nostalgia. Antonio Nahud Júnior
07. Lo subversivo en La valija de fuego de Aldo Pellegrini. Omar Castillo
08. Luis Buñuel e os jogos do imaginário: surrealismo, sexo e religião. Gaspar Garção
09. Mario Vargas Llosa y los escritores de la revolución cubana. Edwin Disla
10. Pablo de Rokha y José Ángel Cuevas: de la nostalgia del mundo rural al sujeto de la ciudad marginal. Naín Nómez
11. Relance sobre o fantástico. Nicolau Saião
12. Sobre los infortunios ampliamente recompensados por el vicio de enamorarse de personajes literarios. Américo Ochoa

Artista convidada : Apuntes sobre la obra de Leda Astorga. Adriano Corrales Arias

PROJETO EDITORIAL BANDA HISPÂNICA

http://www.jornaldepoesia.jor.br/bhportal.html

JORNAL DE POESIA – FORTALEZA – CEARÁ – BRASIL

COORDENAÇÃO EDITORIAL: FLORIANO MARTINS

2001 – 2010

AGULHA HISPÂNICA | REVISTA DE CULTURA

PORTAL http://www.jornaldepoesia.jor.br/BHAHentrada.htm

1. http://www.jornaldepoesia.jor.br/BHAH01capa.htm
2. http://www.jornaldepoesia.jor.br/BHAH02capa.htm
3. http://www.jornaldepoesia.jor.br/BHAH03capa.htm
4. http://www.jornaldepoesia.jor.br/BHAH04capa.htm
5. http://www.jornaldepoesia.jor.br/BHAH05capa.htm
6. http://www.jornaldepoesia.jor.br/BHAH06capa.htm
7. http://www.jornaldepoesia.jor.br/BHAH07capa.htm
8. http://www.jornaldepoesia.jor.br/BHAH08capa.htm

COLEÇÃO DE AREIA – LIVROS DA BANDA HISPÂNICA

http://www.jornaldepoesia.jor.br/BHCAportal.htm

1. Escenas tomadas de um teatro imposible, de Floriano Martins (Brasil)
2. Puerta lateral, de Jorge Rodríguez Padrón (Espanha)
3. El alcohol de los estados intermedios, de Gladys Mendía (Venezuela)
4. Autorretrato, de Floriano Martins (Brasil)
5. Lienzo sobre óleo, de Jorge Tamargo (Cuba)
6. Eros en… canto, de Bella Clara Ventura (Colombia)
7. Intuiciones y obsesiones, de Susana Wald (México)
8. Los trazos de Pandora, de Martín Palacio Gamboa (Uruguay)
9. Antología personal y otros poemas, de Gary Daher (Bolívia)
10. Ceniza por cascada hembra, de Milagro Haack
11. El libro del padre, de Cristino Cortes

MEMÓRIA RADIANTE – DOSSIÊS ESPECIAIS

http://www.jornaldepoesia.jor.br/BHMRportal.htm

1. César Dávila Andrade (Ecuador)
2. Jorge Luis Borges (Argentina)
3. Juan Antonio Vasco (Argentina)
4. Literatura paraguaya | Teresa Méndez-Faith (Paraguay)
5. Literatura nicaragüense | Steven White (Nicarágua)
6. Vanguardas no Século XX | Seminario Taft/UC (Estados Unidos)

ACERVO GERAL DA BANDA HISPÂNICA

http://www.jornaldepoesia.jor.br/BHBHportal.htm

Projeto Editorial Banda Hispânica

Janeiro de 2010 – Fortaleza, Ceará – Brasil

Coordenação geral & concepção gráfica: Floriano Martins.

Direção geral do Jornal de Poesia: Soares Feitosa.

Projetos associados: Revista La Otra (México), Ediciones Andrómeda (Costa Rica), Revista Blanco Móvil (México), TriploV (Portugal).

Cumplicidade expressa: Alfonso Peña, Eduardo Mosches, Gladys Mendía, José Ángel Leyva, Maria Estela Guedes, Soares Feitosa e Socorro Nunes.

Projeto original criado em janeiro de 2001.

Contato: Floriano Martins bandahispanica@gmail.com / floriano.agulha@gmail.com.

As quatro sessões que integram este Projeto Editorial – Banda Hispânica, Coleção de Areia, Agulha Hispânica e Memória Radiante – possuem regras próprias de conformidade com o que está expresso no portal de cada uma delas.

CONHEÇA O JORNAL DE ARTES

JORNAL DE ARTES – UM CONTEÚDO CRÍTICO

Jornal de Artes é a mais nova publicação na área cultural em Porto Alegre (RS), aborda assuntos sobre cinema, poesia, música, literatura, teatro, dança, artes visuais etc., Vem suprir uma lacuna no jornalismo cultural, pois não se limita a divulgar conteúdos sobre artes, mas fazer análise critica sobre a melhor produção cultural gaúcha, ao publicar a produção na área de literatura: contos, poesia, ensaios e artigos que fomentem o debate de ideias.

Ao assinar o Jornal de Artes, você tem direito uma obra de arte (gravura assinada por Cloveci Muruci), com mais de vinte peças para você escolher.

Contato: jornaldeartes@yahoo.com.br