A KERMESSE

Às vezes desce à terra a Providência
No raio d’uma estrela luminosa,
Para envolver n’auréola gloriosa
Os querubins do amor e da inocência.

A doce irradiação da onipotência
Penetra cintilante e carinhosa
No albergue da miséria virtuosa,
No doirado palácio da opulência.

É como o sol; desponta no horizonte
Iluminando inteira a natureza
Desde o vale sombrio ao alto monte!

Abençoados, ó anjos de pureza,
Que n’este santo empenho ergueis a fronte
Em favor do cativo e da pobreza!

(Este soneto foi inspirado por ocasião de uma quermesse realizada em favor da abolição dos escravos, no mês de Setembro de 1884, na cidade de Porto Alegre.)

Achylles Porto Alegre (1848-1926)
Nasceu na cidade de Rio Grande, no Rio Grande do Sul, Brasil. Foi um dos fundadores da Sociedade Parthenon Litterário (1868) e da Academia Rio-Grandense de Letras (1901).

Anúncios

The URI to TrackBack this entry is: https://farolante.wordpress.com/2009/11/17/a-kermesse/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: