BEATRIZ WEIGERT

Não houve nunca um último poema,
nenhum gesto de amor foi derradeiro.
Cada palavra, cada frase ou tema
deixou alguma coisa no tinteiro.
Um resmungo talvez, talvez um gesto,
um desejo maior, mas recalcado,
para ser algum dia manifesto
e novamente desarticulado.
Assim é este livro e seu horário
aberto no seu giro e diretriz,
como se houvesse nele o itinerário
de se chegar à luz de Beatriz.

Lisboa, 1989.

Gilberto Mendonça Teles (1931)
Nasceu em Bela Vista de Goiás. Reside no Rio de Janeiro, como professor da PUC, há trinta e quatro anos, nos quais se incluem os períodos em que trabalhou como professor de literatura brasileira em universidades estrangeiras: Uruguai, Portugal, França (Rennes e Nantes), Estados Unidos (Chicago) e Espanha (Salamanca). É poeta e crítico, com mais de trinta livros publicados nestas duas áreas e com os maiores elogios da crítica especializada. A sua poesia se encontra reunida em Hora aberta, volume de 1.114 páginas. A sua obra tem sido estudada em várias universidades, com cerca de quinze teses de mestrado e doutorado defendidas e algumas já publicadas.

Anúncios
Published in: on julho 16, 2009 at 10:28 pm  Deixe um comentário  
Tags: , , ,

The URI to TrackBack this entry is: https://farolante.wordpress.com/2009/07/16/beatriz-weigert/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: