Um soneto de Raphael Clark

DUPLA INCERTEZA

Mal-me-quer… tu dirás; mas nem sei se te quero,
Insinuante visão, que outrora amei na vida,
E que foste por mim no mundo a preferida
Mal-me-quer… mal-me-quer! entanto te venero.

Bem-me-quer… pensarás, talvez, mulher fingida
Mas, se escuto teu nome, às vezes desespero…
E assim quero viver distante, rude e austero.
Sem nunca mais te ver, – embora a alma abatida!

Mal-me-quer… bem-me-quer… E a tua vida encerro
Hoje, neste amargoso e tétrico dilema,
Fazendo-te sofrer num círculo de ferro.

E eu também, como tu, prossigo neste enleio
Pois não sei se te voto adoração extrema,
Nem mesmo sei dizer, Mulher, se inda te odeio!

Raphael Clark (1880-1926).
Nasceu na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Poeta, orador e advogado. Pertenceu à várias entidades literárias e culturais.

Anúncios
Published in: on abril 15, 2009 at 6:56 am  Deixe um comentário  
Tags: , ,

The URI to TrackBack this entry is: https://farolante.wordpress.com/2009/04/15/um-soneto-de-raphael-clark/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: