Poema de João-Maria Nabais

escrevo… NA CÁPSULA DO TEMPO

João-Maria Nabais

Quase não como
quase não durmo
ao instante segundo
escrevo muito
escrevo sempre
mesmo se não escrevo
com a dor crónica da coluna
há muito inflamada
quase não como
quase não durmo
ao instante segundo
cada vez mais
isolado do mundo
construo a própria
torre de babel
num quarto fechado
ainda
sem destino notável –
entre o dia e noite
o movimento da chama
escorre
na câmara-escura
e o pêndulo quase pára
cristalizado o sono
na dobra das esquinas
onde crianças de rua
se escondem
numa cama de estrelas
ao abrigo da doce sufocação da morte
quase não como
quase não durmo
ao instante segundo
se a luta me custar a vida
como um soldado ferido em combate
na trincheira
contra os frustrados
críticos de arte
que nada sentem
ou sabem daquilo que pensam e dizem
vou seguir o trilho do caminho
para lá do pequeno mundo
conhecido
mesmo que as palavras já gastas
se tornem escassas
na procura da razão crua que me alimenta a coragem
quase não como
quase não durmo
ao instante segundo
escrevo muito
escrevo sempre
mesmo se não escrevo
com o corpo em movimento suspenso
refugiado na cápsula do tempo

João-Maria Nabais
Nasceu em Luanda, Angola. Médico, poeta, pintor, escritor e conferencista. É licenciado em Medicina e Cirurgia pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa em 1974, onde obteve o grau de assistente Hospitalar de Pediatria Médica dos HCL, em 1985. Foi admitido no Colégio das Especialidades de Pediatria Médica da Ordem dos Médicos em 1995. Já fez várias comunicações sobre História da Medicina e realizado conferências científicas nacionais e internacionais. Tem mais de duas centenas de artigos e ensaios publicados nas áreas das Ciências da Saúde, História da Medicina, Escritores Médicos, Judaísmo e de Literatura. Foi distinguido por mais de uma vez: Prêmio Moldarte Pintura (1987); Prêmio António Patrício de Poesia (1996/ 2002/ 2006) com os livros Poemas, Sons de Urbanidade e O Lugar e o Mito, todos pela Sociedade Portuguesa de Escritores e Artistas Médicos; Medalha de Mérito Cultural da Associação de Escritores Médicos e Jornalistas de Bucareste, Romênia (2004). Pertence à várias associações médicas e culturais. Vive em Portugal. Publicou, entre outras, as seguintes obras poéticas: O silêncio das palavras (1992); Crepúsculo das noites breves (1996); Instantes e vivências (1997); Novos navegantes (1998); Cidade dos rios (2001); Espírito do vento (2002); O lugar e o mito (2005); Terra de húmus e neblinas (2007).

Anúncios
Published in: on abril 7, 2009 at 7:19 am  Deixe um comentário  
Tags:

The URI to TrackBack this entry is: https://farolante.wordpress.com/2009/04/07/poema-de-joao-maria-nabais/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: