Poema de Félix da Cunha

SONETO
Félix da Cunha (1833-1865). Nasceu em Porto Alegre. Poeta romântico.

Nas veias já me corre o frio da morte.
Meus olhos sem fulgor fecham-se à luz,
Nas trevas do meu leito não transluz
Meigo raio de amor que me conforte.

Além, diviso a fúnebre coorte,
Que ao cemitério o meu caixão conduz;
Ninguém pranteará nessa erma cruz,
Dos anos meus o prematuro corte.

E mais que o nada a idéia me atormenta,
De que ela não virá no frio lajedo,
Regar de pranto minha cruz sangrenta.

Morra embora comigo o meu segredo,
Nunca ela saberá que dor violenta,
De minh’alma a prisão quebrou tão cedo.

…………….

Anúncios
Published in: on abril 7, 2009 at 7:03 am  Deixe um comentário  
Tags: , ,

The URI to TrackBack this entry is: https://farolante.wordpress.com/2009/04/07/poema-de-felix-da-cunha/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: